Histórico

ABRIGO JOÃO PAULO II - 37 ANOS DE ACOLHIMENTO E DE AMOR

         A ação social que o Abrigo João Paulo II desenvolve há 37 anos é confirmação da atividade iniciada em 1907, pelo seminarista João Calábria, que ao voltar para casa, em Verona na Itália, retornando das suas atividades diárias, numa noite fria, deparou-se com um menino à porta do seu lar e o acolheu em sua casa entendendo que aquele fato era um sinal da Providência de Deus e o convite a fazer algo pelos mais pobres e frágeis.  A partir deste encontro nasce a Congregação dos Pobres Servos da Divina Providência.

       Em 1980, o papa João Paulo II, em visita a Porto Alegre, fez um apelo para que  fizessem alguma coisa pelas crianças que viviam nas ruas da cidade. Desta forma, em 28 de julho de 1981, o Instituto Pobres Servos da Divina Providência, em parceria com o poder público, inicia os trabalho de ronda noturna, com uma Kombi, convidando meninos a passarem a noite no então Albergue João Paulo II.

      Em 1986, um amigo benfeitor ofereceu, em comodato, um terreno em Viamão. Com isso foi possibilitada a criação do Centro de Atividades João Paulo II e ampliado o atendimento, pois lá as crianças passavam o dia com várias atividades lúdicas, pedagógicas e aprendiam um ofício, e à noite voltavam para o Albergue. No mesmo ano, foi contratada a primeira Assistente Social para atuar junto às crianças/adolescentes que estavam morando na instituição.

      Em 1988, A Constituição Federal introduziu mudanças nos direitos das Crianças e Adolescentes - É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança e ao adolescente com absoluta prioridade, o direito à vida, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade, a convivência familiar e comunitária, além de coloca-los a salvo de toda forma de negligencia, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão (BRASIL, 1988, Art. 227)

       Em 1990, com a criação da lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, que dispõem sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente em todo o país, os religiosos não podiam fazer as rondas noturnas para recolher os menores nas ruas, pois, conforme a lei, o acolhimento só poderia se dar com a solicitação do Conselho Tutelar ou do Juizado. Assim a assistente social passou a acompanhar os processos jurídicos dos acolhidos.

      Em 1991, pela Lei nº 8.242, o Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) foi previsto pelo Estatuto da Criança e do Adolescente como o principal órgão do sistema de garantia de direitos. Por meio da gestão compartilhada, governo e sociedade civil definem, no âmbito do Conselho, as diretrizes para a Política Nacional de Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos de Crianças e Adolescentes (http://www.direitosdacrianca.gov.br/conanda)

       Em 1993, A Lei Orgânica da Assistência Social- LOAS- Lei nº 8.742, de 7 de dezembro de 1993, definiu que, no Brasil, a assistência social é direito do cidadão e dever do estado.   A assistência social, direito do cidadão e dever do estado, é politica de Seguridade Social não contributiva, que provê os mínimos sociais realizada através de um conjunto integrado de ações e iniciativa publica e da sociedade, para garantir o atendimento as necessidades básicas. (LOAS, 1993, Art. 1)

    Em 1997 - Às vésperas do Natal, o Albergue fechou suas portas, devolvendo à rua 35 meninos, por falta de recursos. O fato virou notícia nacional e isso sensibilizou o poder público, e especialmente a sociedade, mobilizando uma legião de benfeitores e voluntários dispostos a ajudar. Neste mesmo ano a instituição fez parceria com a ONG Parceiros Voluntários e com o encaminhamento de voluntários aliado ao movimento da comunidade pela reabertura fez com que, um dia depois de seu fechamento, o Albergue pudesse acolher novamente seus meninos e retomar sua rotina, mas com condições mais adequadas e qualificação do acolhimento.

      Em 2001-  o Albergue João Paulo II foi reconhecido por meio do Prêmio Parceiros Voluntários-Ano I pelas ações de solidariedade e de fortalecimento pela cultura do trabalho voluntário em benefício da comunidade gaúcha.

       Em 2002 - a instituição dá um passo importante, inicia o acolhimento em Casas-Lares. Foi inaugurada Casa-lar Pérolas Calabrianas e o Albergue passa a ser chamado Abrigo João Paulo II.

       Em 2003- Em agosto deste ano foi contratada a primeira profissional de psicologia para o atendimento dos acolhidos junto às casas-lares.

       Em 2004 - A Política Nacional de Assistência Social - aprovada pela Resolução 15/2004 CNAS, regulamentou as diretrizes da LOAS e organizou os serviços em níveis de proteção.
      No Abrigo, com a ajuda de uma família italiana, foram construídas três Casas-lares em Viamão, e o acolhimento começou a se confirmar em pequenos grupos. A Casa Bons Meninos acolhia meninos de 7 a 11 anos; a Casa Farol da Esperança, meninos de 11 a 14 anos; e a casa Pérolas do Amanhecer acolhia meninas de todas as idades. Em Porto Alegre, a sede do Abrigo acolhia apenas adolescentes dos 14 aos 18 anos que estudavam e faziam cursos profissionalizantes.

       Em 2005 - Sistema Único de Assistência Social- SUAS/2005. O Consulado Japonês em Porto Alegre financiou a reconstrução da casa sede do Abrigo João Paulo II que passou a ser chamada de Sol Nascente.

      Em 2006 - No mês de janeiro, os monitores das casas-lares BonsMeninos e Pérolas do Amanhecerforam substituídos pelos casais sociais, em caráter permanente. As casas foram transferidas de Viamão para Porto Alegre. 

      Em 2007 - As atividades foram ampliadas, com as casas-lares Divina Providência, Ir. Francisco Perez e Renascer, em Porto Alegre, sendo acolhidas no total de 80 crianças e adolescentes.

      Em 2008 - foi marcado pelo fortalecimento da modalidade de acolhimento em Casas-lares, com a reflexão e a consolidação dos valores e dos objetivos do Abrigo.

     Em 2009 - foi promulgada a lei 12.010, chamada a nova Lei da Adoção, o que dispõe e altera as leis nº 8.069, de 13 de julho de 1990- ECA no que se refere a regulamentação da adoção e outras disposições. Também foram instituídas, pelo Conselho Nacional dos Direitos das Crianças e Adolescentes (CONANDA) as "Orientações Técnicas para Serviços de Acolhimento de Crianças e Adolescentes".
    No Abrigo João Paulo II foi inaugurada a nova Casa-lar Pérolas do Amanhecer, reconstruída com a ajuda de uma família italiana, e com a ajuda de um benfeitor a Casa-lar Bons Meninos foi ampliada e reformada.
    Neste ano foram iniciadas as atividades no município de Alvorada com a abertura de três Casas-lares: São João Calábria, Raios de Luz e Nossa Senhora Aparecida.
    A direção do Abrigo João Paulo II recebeu oPrêmio ?Líderes & Vencedores?, na categoria Destaque Comunitário, promovido pela FEDERASUL e pela Assembleia Legislativa do Estado.

      Em 2010 - Devido ao grande número de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social e necessitando de acolhimento, a Prefeitura Municipal de Porto Alegre solicitou a parceria para que o Abrigo pudesse inaugurar mais cinco casas-lares: Rainha do Brasil, Espírito Santo, São José, Sagrada Família e Coração de Jesus. Também houve a necessidade de convênio para o município de Viamão com a abertura de mais três casas-lares: Mãe de Deus, Nossa Senhora de Nazaré e Rainha da Paz.
      A casa-lar Sol Nascente foi transferida para a Zona Norte de Porto Alegre. A casa da avenida Bento Gonçalves passou a ser a sede administrativa do Abrigo, onde encontra-se a direção, a coordenação técnica, as equipes técnicas de serviço social e psicologia, os setores administrativo e de comunicação.

       Em 2012 - Por solicitação da prefeitura de Viamão, devido à necessidade desse serviço, o Abrigo, com o apoio dos benfeitores, iniciou o trabalho com mais três casas-lares em Viamão: Anjos do Lar, Santa Isabel e Doce Olhar. No mesmo ano o Abrigo João Paulo II, também em parceria com a Prefeitura de Viamão, iniciou a administrar o Centro Educacional João Paulo II, oferecendo cursos de qualificação profissional, nas áreas de informática, panificação e hortifrutigranjeiros, para pessoas incluídas no Programa Bolsa Família, que utilizavam os serviços do CRAS (Centro de Referência de Assistência Social) e do CRES (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) do município, e que estavam desempregadas.
         Neste ano o Abrigo João Paulo II foi beneficiado com o primeiro Carreteiro Social organizado pelo ator Jair Kobe-que faz o personagem Guri de Uruguaiana.

         Em 2013 - O Instituto Pobres Servos da Divina Providência assumiu a Fundação Uma Luz no Amanhã - ULNA que encerrou suas atividades e transferiu as quinze crianças, sendo quatro vinculadas à comarca de Viamão e onze vinculadas à comarca de Porto Alegre, sob os cuidados do Abrigo João Paulo II. Em consequência, as instalações da Ulna passaram a ser utilizadas para a realização de festas, para o lazer dos acolhidos nas férias e para o cultivo de alimentos e criação de animais.

          Em 2014- Em fevereiro, o Abrigo Municipal de Viamão denominado de Cisne Branco passa a ser administrado pelo IPSDP-Abrigo João Paulo II, é um trabalho de acolhimento de nominado, porta de entrada, inicialmente com 30 crianças e adolescentes. Recebe o abandono hospitalar de Viamão e demais acolhidos encaminhados pelo conselho tutelar e juizado da Infância e Juventude. Este trabalho é conduzido por uma coordenadora, uma dupla técnica composta por uma psicóloga e uma assistente social, e por educadores sociais que trabalham em turnos de 12h por 36h..

          Desta forma, o Abrigo João Paulo II, possui atualmente 21 unidades, sendo 1 sede administrativa, 19 casas-lares e 1 abrigo residencial - Cisne Branco que totalizam 220 acolhidos. Oferecemos às crianças e adolescentes condições para o desenvolvimento de suas potencialidades, saúde, educação, convívio social, integração com a comunidade, formação espiritual e profissional, assim como momentos de lazer e diversão.

      Nestes 37 anos algumas marcas foram sendo deixadas por pessoas que passaram por aqui ? e tantas que permanecem conosco - como voluntários, colaboradores, religiosos, benfeitores. Toda essa caminhada foi possível graças ao empenho desses amigos que não mediram esforços para oferecer mais dignidade, amor, carinho e a afeto a estes pequenos, amados por Deus.